Construções subordinadas com o verbo saber em uma perspectiva cognitivo-funcional

Flavia do Carmo Bertasso

Resumo


O objetivo deste trabalho é investigar o funcionamento de diferentes construções com o verbo saber, sob o aparato teórico da Linguística Cognitiva, especialmente Langacker (1987, 1991, 2009). A partir de dados do português falado no interior paulista, busca-se descrever os usos do verbo saber em contextos de complementação oracional com o propósito de determinar quais são suas formas e funções na variedade do português investigada. Os resultados mostram que o verbo saber: (i) no uso com função textual-interativa, é encontrado mais vezes na terceira pessoa do singular, no presente do indicativo e em posição final na oração, e (ii) no uso como matriz de oração completiva, o verbo é mais utilizado na primeira pessoa do singular, no presente do indicativo e em posição inicial na oração. 


Palavras-chave


subordinação; oração completiva; português falado; linguística cognitiva.

Texto completo:

PDF

Referências


BISPO, E. B. Estratégias de relativização no PB: motivações discursivo-interacionais e cognitivas. In: BISPO, E. B.; OLIVEIRA, M. R. (org.). Orações relativas no português brasileiro: diferentes perspectivas. Niterói: Editora da UFF, 2014. p. 131-156.

BRAGA, M. L. Os complementos oracionais no português do Brasil e no português de contato. Anais da Associação Brasileira de Lingüística, Florianópolis, 1999a. (CD-ROM da ABRALIN).

BRAGA, M. L. As orações encaixadas no dialeto carioca. Relatório Científico apresentado ao CNPQ, 1999b. Mimeo.

BRAGA, M. L. Os enunciados de tempo no português falado no Brasil. In: NEVES, M. H. M. (org.). Gramática do Português Falado. v. VII: Novos estudos. Campinas: FAPESP, 1999c. p. 443-461.

CARVALHO, C. Cláusulas encaixadas em verbos causativos e perceptivos: uma análise funcionalista. 2004. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

CEZÁRIO, M. M. Graus de integração de cláusulas com verbos cognitivos e volitivos. 2001. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

CHAFE, W. L. Discourse, Consciousness, and Time: the flow and displacement of conscious experience in speaking and writing. Chicago/London: University of Chicago Press, 1994.

DECAT, M. B. N. Orações relativas apositivas desgarradas no português em uso. In: BISPO, E. B.; OLIVEIRA, M. R. (org.). Orações relativas no português brasileiro: diferentes perspectivas. Niterói: Editora da UFF, 2014. p. 157-190.

DECAT, M. B. N. Orações relativas apositivas: SNs ‘soltos ‘como estratégia de focalização e argumentação. Veredas (UFJF), Juiz de Fora, v. 1 e 2, p. 83-103, 2005.

DECAT, M. B. N. Uma abordagem funcionalista da hipotaxe adverbial em português. In: NEVES, M. H. M. Descrição do Português: abordagens funcionalistas. Araraquara: UNESP/FCL, 1999. p. 299-318.

DIESSEL, H.; TOMASELLO, M. The acquisition of finite complement clauses in English: a corpus-based analysis. Cognitive Linguistics, v. 12, n. 1, p. 97-141, 2001.

FAUCONNIER, G. Mental Spaces. Cambridge, Mass.: The MIT Press, 1985.

GONÇALVES, S. C.; SOUSA, G. C.; CASSEB-GALVÃO, V. C. As construções subordinadas substantivas. In: NEVES, M. H. (org.). Gramática do Português culto falado no Brasil. Classes de palavras e processos de construção. Campinas: Editora da Unicamp, 2008. p. 1021-1088.

LANGACKER, R. W. Investigations in Cognitive Grammar. Berlin/New York: Mounton de Gruyter, 2009.

LANGACKER, R. W. Foundations of Cognitive Grammar. v. 2: Descriptive application. Stanford: Stanford University Press, 1991.

LANGACKER, R. W. Foundations of Cognitive Grammar. v. 1: Theoretical Prerequisites. Stanford: Stanford University Press, 1987.

NEVES, M. H. M. Construções encaixadas: considerações básicas. In: NEVES, M. H. M. A gramática: história, teoria e análise, ensino. São Paulo: Editora UNESP, 2002. p.151-162.

NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. São Paulo: EDUNESP, 2000.

NEVES, M. H. M. As construções condicionais. In: NEVES, M. H. M. (org.). Gramática do Português Falado. v. VII: Novos estudos. Campinas: FAPESP, 1999a. p. 497-544.

NEVES, M. H. M. As construções causais. In: NEVES, M. H. M. (org.). Gramática do Português Falado. v. VII: Novos estudos. Campinas: FAPESP, 1999b. p. 461-496.

NEVES, M. H. M. As construções concessivas. In: NEVES, M. H. M. (org.). Gramática do Português Falado. v. VII: Novos estudos. Campinas: FAPESP, 1999c. p. 545-596.

NEVES, M. H. M.; BRAGA, M. L.; DALL’AGLIO-HATTNHER, M. M. As construções hipotáticas. In: NEVES, M. H. (org.). Gramática do Português culto falado no Brasil. Classes de palavras e processos de construção. Campinas: Editora da Unicamp, 2008. p. 937-1020.

OLIVEIRA, M. R.; AMORIM, M. B. Orações adjetivas na sala de aula em perspectiva funcionalista. In: BISPO, E. B.; OLIVEIRA, M. R. (org.). Orações relativas no português brasileiro: diferentes perspectivas. Niterói: Editora da UFF, 2014. p. 191-218.

SANKOFF, D.; TAGLIAMONTE, E.; SMITH, E. Goldvarb X: a variable rule application for Macintosh and Windows. Toronto: University of Toronto/Department of Linguistics, 2005.

SOUSA, G. C. Motivações semânticas e pragmáticas na mudança gramatical. Caligrama: Revista de Estudos Românicos, v. 20, p. 53-72, 2015.

SOUSA, G. C. Percurso diacrônico de completivas introduzidas por “como” no português. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 42, n. 1, p. 366-375, 2013. Disponível em: https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/1112/678. Acesso em: 05 jun. 2020.

SOUSA, G. C. História de uma completiva: origem e desenvolvimento do complemento oracional introduzido por “se” do português. Alfa, Araraquara, v. 56, n. 1, p. 81-107, 2012.

SOUSA, G. C. Gramática e gramaticalização de construções completivas. In: NEVES, M. H. M. (org.). As interfaces da gramática (série Trilhas Linguísticas, n. 18). Araraquara: Cultura Acadêmica, 2010. p. 231-244.

SOUSA, G. C. Gramaticalização das construções com orações completivas: o caso do complemento oracional introduzido por se. 2007. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2007.

SOUSA, G. C. et al. As orações completivas subjetivas e objetivas. In: PEZATTI, E. G. (org.). Construções subordinadas na lusofonia: uma abordagem discursivo-funcional. São Paulo: Editora da Unesp, 2016.

VERHAGEN, A. Constructions of Intersubjectivity: Discourse, Syntax and Cognition. New York: Oxford University Press, 2005.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i2.2645

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)