O gênero fanfiction: análise intergenérica da escrita de fãs

Karen Dias de Sousa

Resumo


Este artigo pretende demonstrar os resultados de uma pesquisa que analisou textos publicados em uma plataforma on-line de fanfics, narrativas criadas por fã da cultura pop japonesa. A análise utilizou-se principalmente do conceito de “relações intergenéricas” e da noção de “ruína” (CORRÊA, 2006) para investigar com quais gêneros, esferas e semioses as fanfics dialogam.

Palavras-chave


fanfictions; intergenericidade; gênero discursivo; escrita.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011 [1978].

BAKHTIN, M. Para uma filosofia do ato responsável. São Carlos: Pedro e João Editores, 2010.

BAGNO, M. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2012.

CORRÊA, M. G. Epistemologias na introdução e no desenvolvimento de práticas escritas: identidades em jogo. Delta, São Paulo, v. 31, p. 127-167, 2015. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/delta/article/view/22222. Acesso em 30 jul. 2019.

CORRÊA, M. G. As perspectivas etnográfica e discursiva no ensino da escrita: o exemplo de textos de pré-universitários. Revista da ABRALIN, v. Eletrônico, n. esp., p. 333-356, 2ª parte, 2011. Disponível em: http://revista.abralin.org/index.php/abralin/article/view/1115. Acesso em: 30 jul. 2019.

CORRÊA, M. G. Encontros entre prática de pesquisa e ensino: oralidade e letramento no ensino da escrita. Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 2, 625-648, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/viewFile/2175795X.2010v28n2p625/18451 Acesso em: 30 jul. 2019.

CORRÊA, M. G. Pressupostos teóricos para o ensino da escrita. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, n. 9, p. 201-211, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v0i9p201-211. Acesso em: 30 jul. 2019.

CORRÊA, M. G. Relações intergenéricas na análise indiciária de textos escritos. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 45, n. 2, p. 205-224, 2006. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8639432. Acesso em: 30 jul. 2019.

FARACO, C. A. Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola editorial, 2009.

JENKINS, H. Textual Poachers: television fans and participatory culture. New York: Routledge, 1992.

JENKINS, H. A Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

MARCHEZAN, R. C. Diálogo. In: BRAIT, B. (org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2010.

SARTORI, A. T. Os professores e sua escrita: o gênero discursivo “memorial deformação”. 2008. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/269810/1/Sartori_AdrianeTeresinha_D.pdf. Acesso em: 30 jul. 2019.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i2.2517

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)