O que pode esta língua? Uma refl exão a respeito das crenças que emergem em interações de Teletandem

Karin Adriane Henschel Pobbe Ramos

Resumo


O contexto virtual do Teletandem para ensino e aprendizagem de línguas é um ambiente profícuo no qual um sistema de crenças e valores emerge, afetando, de maneira direta, o processo. O presente estudo tem como objetivo investigar esse sistema de crenças, a partir do referencial teórico da Análise do Discurso Crítica. A pesquisa tem sido norteada pelas seguintes perguntas: (a) de que modo as crenças a respeito do processo de ensino e aprendizagem de línguas estão refletidas nos discursos produzidos pelos interagentes brasileiros durante as mediações das sessões; b) quais as implicações desse sistema de crenças para o processo; c) de que forma podemos evidenciar os níveis de Conscientização Crítica da Linguagem entre os participantes no que diz respeito às suas próprias crenças. A análise dos dados permite estabelecer uma relação entre esse sistema de crenças, refletidas nos discursos produzidos pelos interagentes, durante as sessões de Teletandem, e a eficácia do processo, reforçando a importância do papel do mediador.


Palavras-chave


Teletandem; Crenças; Conscientização Crítica da Linguagem

Texto completo:

PDF

Referências


ALANEN, R. A socialcultural approach to young learner’s beliefs about language learning. In: KAJALA, P.; BARCELOS, A. M. F. (Org.). Beliefs about SLA: new research approaches. Dordrecht: Kluwer Academic Publisher, 2003. p. 55-85.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. de. Maneiras de credenciar-se na área de ensino de português a falantes de outras línguas. In: ALMEIDA FILHO, J. C. P. de; CUNHA, M. J. C. Projetos iniciais em português para falantes de outras línguas. Brasília, DF: EdUnB; Campinas, SP: Pontes, 2007. p. 33-37.

BARCELOS, A. M. F. Refl exões acerca da mudança de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. ALAB – Associação de Linguística Aplicada do Brasil, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, 2007. p. 109-138.

CRYSTAL, D. Language and the Internet. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

FAIRCLOUGH, N. Language and Power. Londres e Nova York: Longman, 2001.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Tradução de Izabel Magalhães. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

FAIRCLOUGH, N. Critical Discourse Analysis. Londres e Nova York: Longman, 1995.

FAIRCLOUGH, N. Critical Language Awareness. Londres: Longman, 1992.

GNERRE, M. Linguagem, poder e discriminação. In: GNERRE, M. Linguagem, escrita e poder. São Paulo: Martins Fontes, 1985. p. 3-24.

GUBA, E. G.; LINCOLN, Y. S. Paradigmatic Controversies, Contradictions and Emerging Confl uences. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Ed.) The Sage Handbook of Qualitative Research. 3. ed. New York: Sage, 2005. p. 191-215.

KRESS, G. Linguistic Processes in Sociocultural Practice. Oxford: Oxford University Press, 1989.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U, 1986.

MARCUSCHI, L. A. O hipertexto como um novo espaço de escrita em sala de aula. Linguagem e Ensino, v. 4, n. 1, p. 79-111, 2001.

MEY, J.L. Whose Language? A Study in Linguistic Pragmatics. Amsterdam: John Benjamins, 1985.

NEGUERUELA-AZAROLA, E. Belief as a conceptualizing activity: a dialectical approach for the second language classroom. System, n. 39, p. 359-369, 2011.

OSÓRIO, P.; ITO, I. M. A teoria linguística da Análise Crítica do Discurso e o manual didático de PLE. In: OSÓRIO, P.; MEYER, R. M. (Org.). Português segunda língua e língua estrangeira. Lisboa: Lidel, 2008. p. 85-107.

PAJARES, M. F. Teachers’ beliefs and educational research: cleaning up a messy construct. Review of Educational Research, v. 62, n. 3, p. 307-332, Autumn 1992.

PURCELL-GATES, V. Research for the 21st century: a diversity of perspectives among researches. Language Arts, v. 72, n. 1, p. 56-60, 1995.

RAMOS, K. A. H. P. Implicações socioculturais do processo de ensino de português para falantes de outras línguas no contexto virtual do Teletandem. Estudos Linguísticos, São Paulo, n. 42, v. 2, p. 731-742, maio-ago. 2013.

RAMOS, K. A. H. P. O ensino de Português Língua Estrangeira no contexto virtual do Teletandem: aspectos linguístico-discursivos. Estudos Linguísticos, São Paulo, 41 (2): p. 539-552, maio-ago 2012.

RESENDE, V. M.; RAMALHO, V. Análise de discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. Campinas, SP: Pontes, 2011.

RESENDE, V. M.; RAMALHO, V. Análise de discurso crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

RESENDE, V. M.; RAMALHO, V. Análise de discurso crítica – do modelo tridimensional à articulação entre as práticas: implicações teórico-metodológicas. Linguagem em (Dis)curso - LemD, Tubarão, v. 5, n. 1, p. 185-207, 2004.

TELLES, J. A. Ensino e aprendizagem de línguas em tandem: princípios teóricos e perspectivas de pesquisa. In: TELLES, J. A. (Org.). Teletandem: um contexto virtual, autônomo e colaborativo para aprendizagem de línguas estrangeiras no século XXI. Campinas, SP: Pontes, 2009.

TELLES, J. A. Teletandem Brasil: línguas estrangeiras para todos. Projeto apresentado ao CNPq no 061/2005 (Seleção pública de projetos de pesquisa nas áreas de Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas). Assis: Unesp – Faculdade de Ciências e Letras, Departamento de Educação, 2006.

TELLES, J. A. “É pesquisa, é? Ah, não quero, não, bem!” Sobre a pesquisa acadêmica e sua relação com a prática do professor de línguas. Linguagem e Ensino, v. 5, n. 2, 2002 p. 91-116.

TELLES, J. A.; MAROTI, F. A. Teletandem: crenças e respostas dos alunos. In: PINHO, S. Z.; SAGLIETTI, J. R. O. C. Núcleos de ensino da UNESP: artigos dos projetos realizados em 2006. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2008.

TELLES, J.A.; VASSALO, M.L. Foreign language learning in-tandem: Teletandem as na alternative proposal in CALLT. The ESPecialist, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 189-212, 2006.

VASSALO, M. L. Relações de poder em parcerias de Teletandem. Tese (Doutorado) – São José do Rio Preto: Ibilce/Unesp, 2010.

VASSALLO, M.L.; TELLES, J.A. Foreign language learning in-tandem: Theorical principles and research perspectives. The ESPecialist, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 83-118, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)