Letramentos acadêmicos, a paráfrase e o plágio: a produção de resenha por alunos de graduação

Hélio Rodrigues Júnior, Hélio da Guia Alves Junior

Resumo


O presente artigo discute a paráfrase e o plágio na perspectiva dos letramentos acadêmicos nos cursos de graduação em Educação Física, Letras e Pedagogia. Com a recorrência de situações em que, por má compreensão da paráfrase ou letramento precário, os estudantes elaboram construções textuais que podem ser tomadas como plágio, surge a problematização que norteia esta pesquisa: em que medida a paráfrase revela, de fato, uma autoria intertextual ou, ainda, marcas de plágio, comprometendo o letramento acadêmico? Desta forma, o objetivo geral é compreender algumas dificuldades de alunos na produção escrita na universidade. Recorremos aos postulados de Faraco e Tezza (2011); Fiad (2011); Fischer (2010); Fischer e Pelandré (2010); Kleiman (2005, 2007); Koch (2000); Koch, Bentes e Cavalcante (2007); Lea e Street (1998); Machado, Lousada, Abreu-Tardelli (2004); Motta-Roth e Hendges (2010); Soares (2004).

Palavras-chave


letramento acadêmico; resenha; plágio.

Texto completo:

PDF

Referências


CHIZZOTTI, A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 16, n. 2, p. 221-236, 2003.

FARACO, C. A.; TEZZA, C. Prática de texto para estudantes universitários. São Paulo: Vozes, 2011.

FIAD, R. S. A escrita na universidade. Revista da ABRALIN, v. Eletrônico, n. esp., p. 357-369, 2011.

FIAD, R. S. Reescrita, dialogismo e etnografia. Linguagem em (Dis)curso. Tubarão, Santa Catarina, v. 13, n. 3, p. 463-480, set./dez. 2013.

FISCHER, A. Sentidos situados em eventos de letramento na esfera acadêmica. Educação, Santa Maria, v. 35, n. 2, p. 215-228, maio/ago. 2010.

FISCHER, A.; PELANDRÉ, N. Letramento acadêmico e a construção de sentidos nas leituras de um gênero. Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 2, 569-599, jul./dez. 2010.

FUCHS, C. La paraphrase. Paris: Presses Universitaire de France, 1982.

HILGERT, J. G. Procedimentos de reformulação: a paráfrase. In: PRETI, D. Análise de textos orais. São Paulo: Humanitas, 1997.

KLEIMAN, A. B. Oficina de leitura: teoria e prática. Campinas: Pontes, 2007.

KLEIMAN, A. B. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: KLEIMAN, A. B. (org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2006.

KLEIMAN, A. B. Preciso ensinar o letramento? Não basta ensinar a ler e a escrever? Campinas: UNICAMP/MEC, 2005.

KOCH, I. G. V. Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez, 2000.

KOCH, I. G. V.; BENTES, A. C.; CAVALCANTE, M. M. Intertextualidade: diálogos possíveis. São Paulo: Cortez, 2007.

KRISTEVA, J. Introdução à semánalise. Tradução Lúcia Helena França Ferraz. 3. ed. revista e aumentada. São Paulo: Perspectiva, 2012 [1969].

LEA, M. R.; STREET, B. Student Writing in higher education: an academic literacies approach. Studies in Higher Education, London, v. 23, n. 2, p. 157-172, jun. 1998.

MACHADO, A. R.; LOUSADA, E.; ABREU-TARDELLI, L. S. Resenha. São Paulo: Parábola, 2004.

MOTTA-ROTH, D.; HENDGES, G. R. Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

SCHNEIDER, M. Ladrões de palavras: ensaio sobre o plágio, a psicanálise e o pensamento. Campinas: UNICAMP, 1990.

SOARES, M. Letramento e escolarização. In: RIBEIRO, V. M. (org.). Letramento no Brasil. São Paulo: Global, 2004.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i2.2562

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)