Denominações para o brinquedo “balanço” no estado de São Paulo: análise diatópica e léxico-semântica

Beatriz Aparecida Alencar

Resumo


Considerando a relevância dos jogos e diversões infantis para a sociedade e a relação existente entre o modo de executar e de nomear próprio de cada grupo social, este estudo busca analisar as denominações do conceito expresso na pergunta 166/QSL do Projeto Atlas Linguístico do Brasil (ALiB): “como se chama uma tábua pendurada por meio de cordas, onde uma criança se senta e se move para frente e para trás?” (COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALIB, 2001, p. 35), examinando dados geolinguísticos de 47 localidades da rede de pontos do Projeto ALiB no estado de São Paulo (SP) e cidades limítrofes. O trabalho pautou-se em pressupostos teóricos da Dialetologia (CARDOSO, 2010), da Lexicologia (BIDERMAN, 1998), da Semântica (COSERIU, 1979) e da Etnolinguística (SAPIR, 1969), buscando demonstrar a inter-relação entre léxico, cultura e história social do estado de São Paulo. 


Palavras-chave


dialetologia; estado de São Paulo; jogos e diversões infantis; balanço; Projeto ALiB.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTINO, F. C. Atlas Linguístico do Paraná II. 2007. 2 v. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2007.

AULETE, F. J. C.; VALENTE, A. L. dos S. Aulete Digital: Dicionário Contemporâneo de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2006. Disponível em:

http://aulete.com.br/. Acesso em: 20 ago. 2018.

BIDERMAN, M. T. C. Dimensões da palavra. Filologia e Língua Portuguesa, São Paulo, Humanitas Publicações/FFLCH/USP, n. 2, p. 81-118, 1998.

BLUTEAU, R. Vocabulario portuguez & latino: áulico, anatômico, architectonico... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728.

CARDOSO, S. A. M. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola, 2010.

CÂMARA CASCUDO, L. Dicionário do Folclore Brasileiro. São Paulo: Editora Global, 2012.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB. Atlas Linguístico do Brasil: Questionários 2001.

ed. Londrina: EDUEL, 2001.

COSERIU, E. Teoria da Linguagem e Linguística Geral. Rio de Janeiro: Presença Edições, 1979.

CUNHA, A. G. da. Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

FERREIRA, A. B. de H. Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Curitiba: Positivo, 2010.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S. Dicionário eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2002. 1 CD-ROM.

SILVA, A. M. Diccionario da lingua portugueza. 2 v. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1922. Fac-símile da segunda edição. Lisboa: Typographia Lacérdina, 1813.

SAPIR, E. Linguística como ciência. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1969.

SANTOS-IKEUCHI. A. C. dos. Atlas Linguístico Topodinâmico do Oeste de São Paulo. 2014. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2014.

SANTOS, L. A. dos. Brincando pelos caminhos do Falar Fluminense. 2016. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

SILVA PINTO, L. M. da S. Diccionario da Lingua Brasileira por Luiz Maria da Silva Pinto, natural da Provincia de Goyaz. Na Typographia de Silva, 1832. Disponível em: http://www.brasiliana.usp.br/dicionario/edicao/1. Acesso em: 21 abr. 2017.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i2.2717

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)